23 de jan de 2012

ANO NOVO

Há um relato interessante sobre costumes chineses na época do Ano Novo. Algumas semanas antes das festividades do Ano Novo, os chineses iniciam uma grande faxina em suas casas, tiram o pó de tudo, limpam o chão, os móveis, enfim, tudo, pois querem para o novo ano uma casa bem limpa. Esta faxina não se limita, entretanto, simplesmente à casa. Ela estende-se também aos demais setores da vida diária. Por exemplo: Quem fez dívidas, procura pagá-las. Se alguém cometeu algum mal, tenta desfazê-lo. Todos querem iniciar o Ano Novo com ambiente e vida externa limpos. Um bom exemplo e digno de ser imitado, é começar o ano nessas condições. Será que nós fazemos uma faxina na casa e na vida diária? Há velha história de Moody, bem conhecida, mas boa de lembrar. Certa vez, dois jovens estavam conversando na Irlanda. Lá pelas tantas um deles disse: “O mundo está para ver o que Deus fará com um homem inteiramente consagrado a Ele”. O outro jovem não respondeu mas ficou tremendamente impressionado e um dia ele exclamou: “Pelo Espírito Santo em mim em eu serei este homem”. Na sua obra de evangelista ele impressionou dois continentes com suas mensagens, que atraíram milhares a Jesus Cristo. Seu nome: Dwight Lyman Moody.

7 de jan de 2012


Quebrantamento

Em uma certa catedral da Europa, um novo administrador assumia o cargo e a primeira coisa que fez foi vistoriar o prédio e tudo o que nele havia. Chegando à parte mais alta da catedral, encontrou, perto do teto de um dos cômodos, cerca de uma dezena de estátuas de prata. "O que aquelas estátuas estão fazendo lá em cima?", perguntou. Após ser informado, falou: "Tire-as lá de cima e traga-as para baixo." Elas foram derretidas e o resultado apurado colocado na tesouraria da catedral. Antes de usar aquelas estátuas para um fim proveitoso, o administrador precisou trazê-las para baixo. Da mesma forma, para Cristo poder nos usar, muitas vezes é necessário que nos faça descer do alto em que nos colocamos. Com freqüência, a oração de Cristo ao Pai, por seus discípulos, deve ser: "Faça-os descer." - Paulo Roberto Barbosa